27.11.13

Sarau Ciência e Poesia

Decorreu esta tarde, na Biblioteca Escolar Madalena Sotto, Biblioteca da Escola Secundária Soares Basto o Sarau Ciência e Poesia.

Foi um evento, dinamizado pela Colega e Amiga, Isabel Barbosa, professora de Física e Química, que já há alguns anos tem a preocupação de dinamizar a Semana da Ciência (e Tecnologia, digo eu ...) que decorre nesta altura do ano (ver entrada anterior ...)

Na tarde de hoje, estivemos na Biblioteca, Alunos e Professores, a dizer poesia e a cantar em torno da obra de António Gedeão.

Eu também contribui com a leitura de um dos poemas do Poeta - Estatística.

Estatística

Quando eu nasci havia em Portugal
(em Portugal continental
e nas ridentes,
verdes e calmas
ilhas adjacentes)
uns seis milhões e umas tantas mil almas.
Assim se lia
no meu livrinho de Corografia
de António Eusébio de Morais Soajos.
Hoje, graças aos progressos da Higiene e da Pedagogia,
já somos quase dez milhões de gajos.

António Gedeão
4 Poemas da Gaveta

A Isabel Barbosa, alma mater desta organização

O Mário Rui, com o seu contributo musical ...

Enquanto a Isabel falava, o Mário dedilhava a guitarra ...

24.11.13

Hoje é o Dia Nacional da Cultura Científica

Hoje, 24 de novembro é o Dia Nacional da Cultura Científica. A marcação deste dia não foi um mero acaso ... pois foi neste dia, no ano de 1906 que nasceu Rómulo Vasco da Gama Carvalho, professor do hoje denominado Ensino Secundário, grande divulgador da Ciência e sobretudo um dos mais importantes escritores do século XX português, que escreveu sob o pseudónimo de António Gedeão, autor de várias obras, de entre as quais se destacam vários livros de poesia.

Lágrima de preta
Encontrei uma preta que estava a chorar, pedi-lhe uma lágrima para a analisar. Recolhi a lágrima com todo o cuidado num tubo de ensaio bem esterilizado. Olhei-a de um lado, do outro e de frente: tinha um ar de gota muito transparente. Mandei vir os ácidos, as bases e os sais, as drogas usadas em casos que tais. Ensaiei a frio, experimentei ao lume, de todas as vezes deu-me o que é costume: nem sinais de negro, nem vestígios de ódio. Água (quase tudo) e cloreto de sódio.

António Gedeão

Sobre a Vírgula

Vírgula pode ser uma pausa... ou não.
Não, espere.
Não espere..

Ela pode sumir com seu dinheiro.
23,4.
2,34.

Pode criar heróis..
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.

Ela pode ser a solução.
Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.

A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.
Não, queremos saber.

A vírgula pode condenar ou salvar.
Não tenha clemência!
Não, tenha clemência!

Uma vírgula muda tudo.


Este texto foi-me enviado pelo Amigo Luís Pedro. Como o achei interessante, decidi partilhá-lo. Mas como há mais ... é de continuar a ler ...


SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA.


* Se você for mulher, certamente colocou a vírgula depois de MULHER...

* Se você for homem, colocou a vírgula depois de TEM...

23.11.13

Estava convocada uma festa e manifestação ...

Para hoje, dia 23 de novembro, através das  redes sociais, mais concretamente o Facebook, estava convocada uma festa pelos 105 anos da inauguração da Linha do Vouga, no troço, Espinho - Oliveira de Azeméis e ao mesmo tempo uma manifestação pela sua preservação, como via de comunicação entre estes concelhos ...

Saí de casa cerca das 15 horas, para poder ir nas calmas e com tempo ... Fui e cheguei à estação ... esperei ... esperei ... esperei ... até que decidi regressar a casa ... pelo menos trouxe comigo mais uma série de fotografias, que tem a estação como motivo ...

E mais não digo!

O bem conservado edifício da estação, recentemente pintado

É pena ... esta automotora foi recentemente objeto de intervenção ... já está neste estado ...

Por baixo dos "rabiscos" pode ler-se o assinalar dos 100 anos ...

A última vez que deve ter sido utilizada foi em janeiro de 1998. Agora, só serve mesmo, como lembrança ...

Uma viagem a vapor ...

No dia em que se celebram 105 anos sobre a viagem inaugural na Linha do Vouga, feita por sua Majestade o Rei D. Manuel II, uma recordação da última viagem feita por um comboio movido a vapor, entre as estações de Sernada do Vouga e Oliveira de Azeméis, onde ainda há uma rotunda de locomotivas (conforme se pode ver no documentário) realizada no dia 21 de janeiro de 1998. É autor do documentário em vídeo, o Amigo Manuel Carlos, homem de muita dedicação a Oliveira de Azeméis e à sua Casa Museu.

23 de novembro de 1908 - 23 de novembro de 2013

Fonte: Arquivo do Diário de Aveiro
São cento e cinco os anos que decorreram desde o dia 23 de novembro de 1908, quando El-Rei D. Manuel II, fez a viagem de Espinho até Oliveira de Azeméis, naquela que seria a viagem inaugural, daquele que hoje, carinhosamente, chamamos Vouguinha!

Hoje, cento e cinco anos depois, muitas são as ameaças que pairam sobre a última linha de bitola estreita existente em Portugal ...

Primeiro, a falta de continuidade do serviço comercial entre Espinho e Aveiro, pela linha do Vouga. Em 2011, no dia 2 de Agosto, eu e o Zé Luís, fizemos a Volta ao Distrito de Aveiro em Comboio ... foi uma viagem de algumas horas (mais ou menos 8 ...), que pode ser revista em duas publicações que fiz neste mesmo blogue [Percurso] [Imagens]. Hoje, entre Oliveira de Azeméis e Sernada do Vouga, onde se localizam as oficinas de manutenção já não há serviço comercial. o Comboio circula vazio, quando vai fazer manutenção ou abastecer ...

Segundo, a qualidade do serviço. Porque para além da baixa velocidade, consequência do traçado sinuoso que se mantém sem alteração desde o início do século passado, há alguma degradação do material circulante, muito por obra e graça de um conjunto de "artistas" que usam as carruagens como tela ... será que não há policiamento nos locais onde os comboios aparcam durante a noite? Será que a Liberdade, é cada um fazer o que quer e onde quer? Por isso, um dia, com base numa série de fotografias que tirei na estação de Oliveira de Azeméis, publiquei uma entrada a que dei o título, Grafitti, Arte ou Destruição ...

Muito mais pode ser dito sobre a Linha do Vouga, nos seus troços ainda abertos. Espero, mas espero mesmo, que não deixem a linha morrer. A forma de o fazer é incentivar o uso do comboio entre os diferentes centros urbanos que a linha serve, pois afinal, do centro de Oliveira de Azeméis, ao centro de São João da Madeira, são uns meros 15 minutos ...

21.11.13

Fantástico!

Não entendo uma palavra de Russo? Mas não é preciso entender qualquer língua para entender estas magnífica atuação ... chega a arrepiar!!!

20.11.13

José Rosa enviou-lhe a seguinte Petição.

Caros Amigos,

Acabei de ler e assinar a petição: «Contra os 19,4 milhões dados a famílias que ponham filhos no privado vamos acabar com o pagamento de alunos no privado pelo Estado» no endereço http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=P2013N71441

Pessoalmente concordo com esta petição e cumpro com o dever de a fazer chegar ao maior número de pessoas, que certamente saberão avaliar da sua pertinência e actualidade.

Agradeço que subscrevam a petição e que ajudem na sua divulgação através de um email para os vossos contactos.

Obrigado.
José Rosa

Esta mensagem foi-lhe enviada por José Rosa (jrosa61@gmail.com), através do serviço http://peticaopublica.com em relação à Petição http://peticaopublica.com/?pi=P2013N71441

17.11.13

O Parque de La-Salette em obras ...

Um dos espaços emblemáticos da cidade de Oliveira de Azeméis, o Parque de La-Salette, está em obras. Estas já arrancaram faz alguns meses (anos), primeiro de uma forma bastante discreta (Sanitários e Parque Infantil), depois com alguma intensidade, Parque de Merendas e Espaço de Eventos e agora com muita visibilidade, pois é o Núcleo Central que está a ser intervencionado, com a reforma da rede de águas e outros melhoramentos, de tal forma que os acessos à Capela, estão muito condicionados. Também já se iniciaram as obras na chamada "Casa do Mateiro" que no futuro vai ser o Centro Interpretativo do Vidro. 

Parabéns a todos os que se bateram por estas obras ... Oliveira de Azeméis, Cidade e Concelho, agradecem ...








Diferentes aspetos dos espaços que já foram intervencionados ou que o estão a ser ...

Ontem, ao por do Sol ...

Ontem, ao por do Sol, era esta a vista a partir de uma das janelas do meu quarto ...

Sem flash

Com flash

16.11.13

Caminhos surpreendentes

Por e-mail, da minha Amiga Conceição Sá, recebi uma mensagem, acompanhada de dezanove fotografias, intitulada Caminhos Surpreendentes. E não é que são mesmo?




















São estradas, ruas, veredas, caminhos de ferro, ou simples acessos, com paisagens deslumbrantes ou fascinantes ...

15.11.13

Rir faz bem [5]

[CONTINUAÇÃO]

Lição Nº 5 - Criatividade

Um fazendeiro resolve colher alguns frutos da sua propriedade. Pega num balde vazio e segue para o pomar.
No caminho, ao passar por uma lagoa, ouve vozes femininas que provavelmente invadiram as suas terras. Ao aproximar-se lentamente, observa várias raparigas nuas banhando-se na lagoa.
Quando elas se apercebem da sua presença, nadam até à parte mais profunda da lagoa e gritam:
- Nós não vamos sair daqui enquanto não se for embora.
O fazendeiro responde:
- Não vim aqui para vos espreitar, só vim dar de comer aos jacarés !

Moral da História:
É a criatividade que faz a diferença na hora de atingirmos os nossos objectivos

[FIM]

14.11.13

Rir faz bem [4]

[CONTINUAÇÃO]

Lição Nº 4 - Motivação

Em África, todas as manhãs, uma gazela ao acordar, sabe que deve conseguir correr mais do que o leão se se quiser manter viva.
Todas as manhãs, o leão acorda e sabe que deverá correr mais do que a gazela se não quiser morrer de fome.

Moral da História:
Pouco importa se és gazela ou leão, quando o sol nascer deves começar a correr.

[CONTINUA]

13.11.13

Rir faz bem [3]

[CONTINUAÇÃO]

Lição Nº 3 - Zona de Conforto

Um corvo está sentado numa árvore o dia inteiro sem fazer nada. Um pequeno coelho vê o corvo e pergunta:
- Posso sentar-me como tu e não fazer nada o dia inteiro?
O corvo responde:
- Claro, por que não?
O coelho senta-se no chão, debaixo da árvore e relaxa. De repente, uma raposa aparece e come o coelho.

Moral da História:
Para ficares sentado sem fazeres nada deves estar sentado bem no alto.

[CONTINUA]

12.11.13

Mudam-se os tempos ...

Rir faz bem [2]

[CONTINUAÇÃO]

Lição Nº 2 - Chefia e Liderança

Dois funcionários e o gerente de uma empresa saem para almoçar e na rua encontram uma antiga lâmpada a óleo. Esfregam a lâmpada e de dentro dela sai um génio. O génio diz:
- Só posso conceder três desejos, por isso, concederei um a cada um de vós. - Eu primeiro, eu primeiro - grita um dos funcionários -
Queria estar nas Bahamas a pilotar um barco, sem ter nenhuma preocupação na vida!
Puf! E lá se foi.
O outro funcionário apressa-se a fazer o seu pedido:
- Quero estar no Havaí com o amor da minha vida e um provimento interminável de pinas coladas!
Puf e lá se foi.
- Agora você - diz o génio para o gerente.
- Quero que aqueles dois voltem ao escritório logo depois do almoço - diz o gerente.

Moral da História:
Deixe sempre o seu chefe falar primeiro.

[CONTINUA]

11.11.13

Rir faz bem [1]

Em tempos, recebi da minha Amiga Leonor Sousa um correio eletrónico, com cinco lições, que me fez dar umas boas gargalhadas. Porque Rir Faz Bem, decidi partilhá-lo!

Lição Nº 1 - Gestão do Conhecimento

Um homem entra no banho enquanto a sua mulher acaba de sair dele e se enxuga. A campainha da porta toca. Depois de alguns segundos de discussão para ver quem iria atender, a mulher desiste, enrola-se na toalha e desce as escadas.
Quando abre a porta, vê o vizinho Bob na soleira. Antes que ela possa dizer qualquer coisa, Bob diz:
- Dou-lhe 800€ se deixar cair essa toalha.
Depois de pensar por alguns segundos, a mulher deixa a toalha cair e fica nua. Bob, então, entrega-lhe os 800€ prometidos e vai-se embora. Confusa, mas excitada com sua sorte, a mulher enrola-se novamente na toalha e volta para o quarto. Quando entra no quarto, o marido grita do chuveiro:
- Quem era?
- Era o Bob, o vizinho da casa ao lado - diz ela.
- Óptimo! Deu-te os 800€ que me estava a dever?

Moral da história:
Se compartilhares informações a tempo podes evitar exposições desnecessárias!!!

[CONTINUA]


10.11.13

As cores do outono

O outono (pelo menos o princípio) é claramente a minha estação favorita, no que diz respeito às cores e tonalidades ...

Esta manhã fui fazer uma caminhada (+ / - 5.600 metros ...) por sítios onde sabia que tinha árvores de folha caduca, que neste momento, mostram toda a exuberância de cores: são os verdes, os amarelos, os castanhos: os vermelhos ... enfim, uma multiplicidade de cores, que só embelezam as paisagens ...

Na margem da rua Álvaro Figueiredo ...
 
Na rua Dr. Silva Pinto


Na rua António Rodrigues

Junto à Escola Secundária Soares Basto

Em Fonte Joana, junto à EB 1/JI N.º 4 de Oliveira de Azeméis
Nos terrenos da Lactogal


Vida de Gato

Mais uma vez, o Xico é o protagonista. Ontem à tarde, esteve cá em casa ... e que melhor sítio para se instalar? Claro, o computador! Em cima ou mesmo ao lado! Mais nada!

Depois de saltar para cima da secretária, pumba! Deitou-se mesmo em cima do teclado ...

... depois lá o consegui desalojar ...

... para uma soneca! Vida de Gato, mesmo!!!

9.11.13

Fernando Pessoa na Ferreira de Castro

Por motivos profissionais tive que me deslocar, esta manhã, à Escola Básica e Secundária Ferreira de Castro, aqui em Oliveira de Azeméis. No Átrio e na Biblioteca Escolar e Centro de Recursos Clara Brandão, está uma exposição sobre o autor mo mês de novembro, que é Fernando Pessoa. Muito bem concebida, atrativa e de uma enorme elegância, a exposição é uma abordagem à(s) vida(s) do genial escritor, autor da Mensagem.








I. O INFANTE
Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse.
Sagrou-te, e foste desvendando a espuma,

E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira, de repente,
Surgir, redonda, do azul profundo.

Quem te sagrou criou-te português.
Do mar e nós em ti nos deu sinal.
Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!
Primeiro poema da segunda parte, MAR PORTUGUÊS, da obra MENSAGEM